quarta-feira, 31 de julho de 2019

[Resenha #05] - Quando a Lenda Ganha Vida - Wesnen Tellurian e Junior Salvador

O folclore brasileiro é rico em lendas e personagens místicos. Provavelmente a maioria dos brasileiros não conhece todos estes personagens, eu mesma não conhecia todos os citados no livro, mas a grande maioria com certeza são conhecidos por nós - saci, curupira, boto-cor-de-rosa, mula sem cabeça são exemplos.

Quando a Lenda Ganha Vida é uma antologia de 15 contos que retratam o folclore brasileiro, que foi organizada pelo Wesnen Tellurian e o Junior Salvador e publicada este mês pela Editora Sinna. Estes contos são uma mistura de suspense e terror. Como são muitas histórias, escolhi a minha favorita para tratar com maior profundidade.

Pecado, escrito por John Elton
O personagem folclórico que está presente neste conto é a mula sem cabeça. Pecado é um conto sobre Maria, uma jovem mulher que se apaixona por um padre e juntos cometem o pecado da luxúria. Quando o padre fica sabendo que este pecado resultou em uma gravidez, ele age de forma inesperada e cruel, na tentativa de se livrar de suas responsabilidades. Após o acontecido o padre recebe algumas mensagens, entre elas o aconselho para que o padre conte seu pecado e o alerta, avisando-o que em breve algo sobrenatural irá buscá-lo.
Achei o final deste conto surpreendente e não conhecia de fato a origem da mula sem cabeça, que nos é apresentada nesta história.
Que Deus tenha piedade de mim... A criatura não teve.
Uma das coisas que gostei durante a leitura foi a curiosidade de saber a qual personagem folclórico cada conto remete. Em alguns contos isso fica mais explícito e, em outros, demoramos um pouco a saber. De toda forma, todos os contos são regados a suspense e as lendas que eu não conhecia, o livro me proporcionou a oportunidade de conhecê-las. Além de ser um livro indicado para os fãs de suspense, é um livro indicado para quem quer conhecer e incentivar mais a cultura brasileira.

Título: Quando a Lenda Ganha Vida
Autor: Wesnen Tellurian e Junior Salvador
Editora: Sinna
Onde comprar: Amazon
Avaliação: ★★★★★
LEIA MAIS

quarta-feira, 10 de julho de 2019

[Resenha #04] - Summer Love - Guilherme Tironi

Summer love conta a história de Zach, um jovem que descobre que está com câncer terminal nos pulmões. Sua expectativa de vida é pequena, mas apesar de todas as dificuldades que tem enfrentado em sua vida, decide viver seus últimos dias como qualquer outro jovem, frequentando uma nova escola e talvez até mesmo fazendo novos amigos.

Na nova escola, Zach conhece Hasley, uma garota que o deixa intrigado desde o primeiro contato por causa de suas perguntas, inclusive uma para a qual ele não sabe a resposta: "quais motivos te fizeram ficar?" O que Zach não sabia é que Hasley se tornaria sua melhor amiga, a pessoa com a qual ele contaria para tudo. Outra coisa que ele não sabia e que descobrimos ao avançar um pouquinho na leitura é que Hasley também luta contra a mesma doença de Zach.

Ao decorrer da história somos apresentados a Joe, um rapaz do time de futebol, popular e descolado pelo qual Zach começa a desenvolver sentimentos. Hasley percebe os olhares que o amigo dá para Joe e começa a arquitetar um plano para que ocorra a aproximação entre os dois. Logo Joe se une aos dois e eles constroem uma forte amizade.

Joe é um rapaz doce. É um escritor de contos e poesias muito talentoso. Hasley é divertida e descolada, aparenta estar sempre de bom humor e é uma amiga dedicada. Já Joe, apesar de ser jogador de futebol, é uma pessoa humilde e que ama música. Inclusive, uma das coisas que mais me atraiu neste livro foi o fato de logo no início ter uma playlist para que possamos acompanhar as indicações musicais dadas no livro.

Além das reflexões a respeito do câncer e o impacto que ele gera na vida das pessoas ao redor, outro tema explorado pelo Guilherme Tironi é a homossexualidade. Na história vemos Zach, que mesmo sem ter tido um relacionamento homossexual sabe o que é, e que até então não havia tido a coragem de se assumir para seus familiares.

De um modo geral, Summer Love é um livro lindo, delicado e de partir corações. O final do livro me surpreendeu de uma forma que eu não sou surpreendia há muito tempo. Um dos acontecimentos eu até havia imaginado no início da leitura, mas o final em si foi realmente surpreendente. Não sei quando vou superar o final deste livro. Confesso que não sou muito fã de livros tristes, que abordam doenças, pois acredito que uma das vantagens de ler é poder escapar da realidade triste e difícil que muitas vezes nós enfrentamos. Mas mesmo assim, acredito que Summer Love é uma leitura que vale a pena.

Faça de seus dias um infinito diferente e a cada dia você viverá infinitamente um finito infinito.

E você, já leu Summer Love? O que achou? Me conta nos comentários!

Título: Summer Love
Autor: Guilherme Tironi
Páginas: 276
Editora: Sinna
Onde comprar: Amazon
Avaliação: ★★★★
LEIA MAIS

segunda-feira, 10 de junho de 2019

[Quotes #02] - Orgulho e Preconceito


A categoria Quotes nada mais é do que um post com alguns dos trechos que mais gostei durante a leitura de um livro. O escolhido do dia é Orgulho e Preconceito, da autora Jane Austen. Sempre ouvi coisas boas sobre as obras da Austen, mas a minha motivação para a leitura do livro dela foi o Desafio de Leitura Rory Gilmore. Vamos aos trechos?

Vaidade e orgulho são coisas diferentes, embora as palavras geralmente sejam usadas como sinônimos. Uma pessoa pode ser orgulhosa sem ser vã. O orgulho está mais vinculado à nossa própria opinião de nós mesmos, e a vaidade, ao que achamos que os outros pensam de nós.

A felicidade no casamento é, inteiramente, uma questão de sorte. Se o temperamento do casal for bem conhecido por cada um, ou mesmo for, antes, parecido, isso não prenuncia sua felicidade, no fim das contas. Eles sempre continuam a se desenvolver inversamente o suficiente para ter sua cota de incômodo; e é melhor conhecer o menos possível dos defeitos da pessoa com quem você passará sua vida.

Quanto mais eu vejo do mundo, mais fico insatisfeita com ele; e cada dia confirma minha crença na inconsistência do caráter humano e na pequena dependência que pode ser colocada na aparição do mérito e do sentido.

Tenho lutado em vão. Não resistirei. Meus sentimentos não serão reprimidos. Você deve permitir que eu lhe diga o quão ardentemente eu a admiro e a amo.

E aí, o que acharam dos trechos? Já leram Orgulho e Preconceito? Me contem nos comentários!
LEIA MAIS

quarta-feira, 5 de junho de 2019

[Resenha #03] - Meu Querido Astronauta - Taty Azevedo

Meu Querido Astronauta conta a história de Maria Luiza (Lui), uma adolescente de dezesseis anos que sente como se não se encaixasse entre as pessoas de sua idade. Para ela, as pessoas deveriam sair diretamente da infância para a vida adulta. Devido a esse pensamento, ela tem apenas uma amiga (Dai) e se dá super bem com as amigas de sua avó.

Mas a forma como encara a vida muda quando o menino mais popular de sua escola sofre um acidente grave de carro. Pedro, que nunca foi amigo de Maria Luiza, parece se interessar por ela de alguma forma. Enquanto tenta entender o que está acontecendo com ele e porque tem agido de forma tão diferente após o acidente, Lui fica sabendo a verdade: ele é um alienígena.

"Que tipo de Alienígena? Os anteranos de A improvável Annelise e o ET do Spielberg era bonzinhos. Os do Arquivo X e o Alien... ah, droga!"

Após essa descoberta, Lui e Dai passam a ter um objetivo: fazer com que Pedro (apelidado por elas de Alienboy), tenha a experiência de ser um adolescente durante seus poucos dias na Terra. assim criam uma lista com diversas atividades que ele deve fazer, incluindo encontrar uma crush.

Durante a leitura, vamos percebendo que na verdade Maria Luiza é mais adolescente do pensa. Apesar de ser muito madura para determinados assuntos, ela é como qualquer outra garota de sua idade, apenas ainda não havia descoberto que poderia passar pelos dilemas comuns da adolescência.

Eu li este livro, no ínicio de maio, por causa da Maratona Espacial 2019, organizada pelos perfis do Instagram @teawithmel e @pronomeint. Meu Querido Astronauta foi uma das indicações que a Melina deu para o desafio, eu li a sinopse e me interessei por ele. Foi uma escolha bem feita, achei o livro muito fofinho e li bem rápido (um final de semana).

Minha primeira impressão ao ver a capa foi de que o livro seria delicado e ele realmente é assim. A capa é muito bonita, gostei muito da presença da libélula, que durante a leitura descobrimos ser o formato das cápsulas através das quais os alienígenas são enviados para a Terra.

Gostei muito da escrita da Taty Azevedo, foi a primeira vez que li um livro dela. A história cativa a gente, é bem juvenil e leve, quando percebemos já devoramos o livro inteiro. E o melhor de tudo é que o e-book está disponível pelo Kindle Unlimited!

E você, já leu Meu Querido Astronauta ou algum outro livro da Taty Azevedo? Me conta!

Título: Meu querido astronauta
Autor: Taty Azevedo
Páginas: 336
Onde comprar: Amazon
Avaliação: ★★★★★
LEIA MAIS

quarta-feira, 22 de maio de 2019

[Resenha #02] - Orgulho e Preconceito - Jane Austen

Orgulho e Preconceito é um livro escrito por Jane Austen, que foi publicado pela primeira vez em 1813. Este é, provavelmente, o livro mais conhecido da autora. Já foi adaptado para o cinema diversas vezes, sendo a versão mais comum a de 2005, estrelada por Keira Knightley sob a direção de Joe Wright.


O livro conta a história da família Bennet, composta pelo Senhor Bennet, sua esposa e suas cinco filhas: Jane, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia. A Sra. Bennet é uma mulher preocupada com o futuro de suas filhas, o que se resume basicamente a tentar casá-las. Já o Sr. Bennet parece ser um homem sarcástico, que também se preocupa com o futuro de sua família, mas não da mesma forma que a esposa. Elizabeth é a protagonista da história. É uma jovem bonita, inteligente, de personalidade forte e orgulhosa, que prefere se dedicar a ler livros ao invés de procurar um marido, fofocar sobre a vida alheia e roupas. Jane é a irmã mais velhas, considerada a mais bonita e incapaz de enxergar maldade no coração das outras pessoas. Mary é mais obcecada por livros que Elizabeth e parece ser a irmã mais ajuizada. Kitty é pouco explorada no livro, mas assim como Lydia, ela é paqueradora. Lydia é considerada a mais extrovertida das irmãs e a mais interessada em arrumar um marido.

“Como é adorável passar a tarde assim! Garanto que não há nada mais divertido que ler! Tudo cansa, menos um livro! Quando tiver a minha própria casa, não serei feliz até ter uma excelente biblioteca!

A história começa quando Bingley aluga a mansão de Netherfield. Ele é um homem rico, jovem, bonito e solteiro, que faz com que diversas moças da região se interessem por ele. Junto com ele, veio um amigo Darcy, um homem arrogante e orgulhoso, que em um primeiro momento aparenta não suportar Elizabeth.

Da mesma forma, Elizabeth também nutre sentimentos negativos em relação a Darcy. No momento em que o conheceu, o ouviu dizendo que Elizabeth não possuía atributos suficientes para fazê-lo se sentir interessado. A partir daí, Lizzie foi criando uma visão sobre ele, de um homem orgulhoso, que se baseia em sua riqueza para se achar superior aos outros.

Tentei lutar, mas em vão. Não consigo mais. Não posso reprimir meus sentimentos. Você tem de me permitir dizer com quanto ardor eu admiro e amo você.

Orgulho e Preconceito foi o primeiro livro que li de Jane Austen. Uma das coisas que mais me agradou nesta leitura foi o fato da Jane realmente ter vivido na época retratada  no livro. Isto proporcionou um retrato fiel da sociedade inglesa da época, além de uma riqueza de detalhes. Na Inglaterra da época havia uma grande e evidente distinção entre classes sociais, em que pessoas de classes mais altas evitavam se relacionar com pessoas de classes baixas. Outro ponto positivo é que apesar de ter mais de 200 anos, a trama do livro é bastante atual, o preconceito entre classes sociais existe até hoje.

Apesar de gostar muito de romances históricos, nunca havia me sentido particularmente interessada em Orgulho e Preconceito e devo agradecer ao Desafio Literário Rory Gilmore por me apresentar esta história.

Eu li através do formato e-book da edição bilíngue da Editora Landmark e achei a tradução ruim, existem muitos erros de pontuação (excessivas vírgulas) e sintaxe. Para se ter noção, em alguns momentos precisei ler o capítulo em inglês para entender o que eu não entendia no mesmo capítulo em português.

De uma forma geral, gostei de Orgulho e Preconceito. Os personagens são bem construídos e a história de Jane Austen não é cheia de informações que servem apenas para preencher páginas. Tudo o que é apresentado no livro é fundamental para a construção dos personagens.

E vocês, já leram Orgulho e Preconceito? Me contem nos comentários o que acharam!

Onde comprar: Amazon

Edição Bilíngue
LEIA MAIS

quarta-feira, 1 de maio de 2019

Os favoritos de abril/19

O mês de abril foi um mês em que muitas coisas aconteceram. Minha vida acadêmica ficou um pouco corrida e eu não consegui me dedicar ao blog e as redes sociais da forma como queria pois tive que focar no mestrado.

Mas ainda sim, consegui postar aqui sobre o livro Garota, Interrompida da Susanna Kaysen e alguns quotes do mesmo. O livro é autobiográfico e conta a fase mais difícil da vida de Susanna, quando ela foi internada em um hospital psiquiátrico. Foi adaptado para o cinema e é conhecido por ter Angelina Jolie em seu elenco.

Agora vamos aos favoritos de abril?

Livros
Em abril eu comecei a leitura de Orgulho e Preconceito da Jane Austen e, apesar de ainda não ter finalizado a leitura, já posso dizer que gosto bastante do livro. também iniciei a leitura de O Milagre da Manhã, livro que estou lendo aos poucos para tentar colocar as ideias dele em prática.

Blogs
Eu li a resenha que a Hanna fez de Em outra vida, talvez? e fiquei com vontade ler o livro, que conta a história de sua quase xará Hannah. Ela teve uma decepção amorosa e resolveu voltar para sua cidade natal, para tentar dar um rumo para sua vida. Lá ela acaba encontrando sua melhor amiga e seu ex-namorado.

Outra resenha que li e fiquei com vontade de ler o livro foi Ninguém vira adulto de verdade. Este é um livro de quadrinhos que faz parte de uma série de três livros publicados pela Editora Seguinte. Ele trata de assuntos do cotidiano de quem não gosta muito da ideia de ser um adulto.

Filmes
Eu estava super empolgada com a ideia de assistir o filme Vingadores: Ultimato mas ainda não havia assistido todos os filmes dos personagens envolvidos. Então fiz uma meeega maratona para poder assistí-los. Ainda faltam alguns filmes como Homem-Aranha: de volta ao lar, Pantera Negra, Homem-Formiga e a vespa e Capitã Marvel.

Séries
Neste mês eu assisti a terceira temporada de Santa Clarita Diet, que foi cancelada pela Netflix, a primeira e a segunda temporada de Grimm. Também iniciei as séries Broklyn Nine-Nine e Vikings, mas não gostei muito das mesmas. Apesar disso vou continuar assistindo, por já ter ouvido coisas incríveis sobre e ter esperança de acabar gostando.

Youtube
Sou uma grande fã do trabalho da Bruna Vieira e apesar de ultimamente só ter acompanhando ela através do Instagram, eu tirei um tempinho para assistir o segundo episódio da série Minha Califórnia, que ela está desenvolvendo.

E vocês, o que fizeram em abril? Me conta nos comentários.
LEIA MAIS

sexta-feira, 5 de abril de 2019

[Resenha #01] - Garota, Interrompida - Susanna Kaysen

O livro é uma autobiografia e conta a história de Susanna, uma garota de 18 anos que em uma manhã vai ao médico por estar com insônia e não aguentar mais a realidade do mundo. Durante a consulta o médico percebe que Susanna precisa ser internada em um hospital psiquiátrico. A internação, que era para durar duas semanas, acaba durando dois anos.

Durante a leitura começamos a nos perguntar sobre o motivo de Susanna estar ali, visto que ela nos parece uma pessoa normal e com uma visão crítica sobre a situação dos demais internados. Aos poucos conhecemos a história dela, através dos prontuários de sua internação e algumas de suas reflexões.

A vida em um hospital psiquiátrico se mostra difícil. Os internos não tem muita liberdade, não podem passear livremente pelo pátio, não podem ficar com janelas abertas sem supervisão, seus telefonemas são monitorados, a única opção de lazer é assistir televisão, pouquíssimas vezes podem sair para tomar um sorvete (e mesmo assim com supervisão de enfermeiras), passam um tempo na solitária, fazem terapias de choque, entre outras coisas.

A história é envolvente e como o livro é relativamente curto (quase 200 páginas), rapidamente fazemos a leitura. Este livro foi adaptado para o cinema e espero poder assisti-lo em breve. 

E vocês, já leram o livro ou assistiram o filme? Me contem o que acharam!
LEIA MAIS